Agricultura de precisão pode melhorar o sistema ILP

Estudo da Embrapa comprovam aumento da lucratividade em áreas de cultivo que adotam o sistema de integração Lavoura-Pecuária

Sustentabilidade

img-news
Por meio do uso de tecnologias de precisão é possível detalhar o impacto dos riscos climáticos até dentro das áreas de cultivo de uma mesma fazenda. Para isso, um mapa de colheita pode ajudar, identificando as áreas de baixa produtividade e relacionando-as com variáveis climáticas e resultados econômicos ao longo dos anos.

Esse procedimento pode auxiliar na tomada de decisão do produtor, em relação às áreas a serem cultivadas ou não, reduzindo o impacto da baixa umidade no solo. Ampliando essa perspectiva, o conceito de zonas de manejo foi utilizado no estudo para abordar a variabilidade espacial da produção dentro das áreas agrícolas.

Estudo, conduzido por cientistas da Embrapa, deduziu que a utilização de zonas de manejo, definidas com base nos mapas de produtividade de soja, que relacionam a produtividade com a posição geográfica precisa, permite o estabelecimento de um plano estratégico para minimizar os impactos dos anos secos, incluindo a substituição dos cultivos de maior risco. 

O BOOM DA SOJA
O que motivou o estudo foi que os bons preços da soja nos últimos anos levaram à expansão das lavouras no sul do Brasil e pressionam pela redução da pecuária, que historicamente se adaptou à vegetação local, solo e condições climáticas. Na região da Campanha no Rio Grande do Sul, na última década, a área de soja cresceu 600%, enquanto o rebanho bovino reduziu 13%. Apesar da tendência de aumento da área cultivada, a produtividade da soja na região apresenta elevada oscilação relacionada, sobretudo, à deficiência hídrica no solo, influenciada pelo efeito dos fenômenos “La Niña e El Niño”.

"Analisamos os desempenhos produtivo e econômico de três sistemas: a monocultura de soja, o sistema lavoura-pecuária com soja no verão e pastagem de azevém no inverno e o sistema lavoura-pecuária composto por soja e capim-sudão no verão e pastagem de azevém no inverno, obtido por meio de uma simulação, com a substituição da cultura da soja pelo capim-sudão em zonas de baixa produtividade de soja", explica o pesquisador Naylor Perez da Embrapa Pecuária Sul, que conduziu os trabalhos com o pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Marcos Neves.

MAPAS DE COLHEITA
As zonas de manejo foram definidas em função dos mapas de colheita de soja (mapas de produtividade) relativos aos seis anos anteriores, resultando em três zonas, uma zona que sempre foi a mais produtiva, outra com produtividade variável ao longo dos anos e uma terceira, de baixa produtividade.

LUCRO DO SISTEMA ILP
Para a análise comparativa dos sistemas, foi calculado o lucro operacional para as três situações, usando os dados reais do sistema ILP implantado na área e os dados de literatura para o capim-sudão da variedade BRS Estribo. Os resultados mostraram que o sistema com o monocultivo de soja teve rendimento financeiro insatisfatório em dois dos seis anos avaliados, sendo um deles negativo.

Já o lucro operacional do sistema ILP (soja e azevém), mostrou que a pecuária aumentou os rendimentos, deixando o sistema com resultados sempre positivos nos anos analisados. O terceiro sistema, com soja/capim-sudão e azevém, mostrou uma melhora perceptível de cerca de 24% em relação ao segundo sistema ILP no período mais seco, mostrando rendimentos similares ao segundo sistema ILP nos demais anos.

O impacto positivo do sistema ILP com soja e capim-sudão, durante o verão e azevém, no período frio, se dá pela substituição do cultivo de soja na zona de manejo de baixa produtividade, pelo capim-sudão, que no caso do estudo representava 13% da área total. 

Portanto, explica Perez, além dos resultados numéricos serem uma referência para avaliar o uso prático das zonas de manejo, eles também servem para ilustrar a relevância da identificação da variabilidade das parcelas agrícolas dentro de uma mesma área, na definição das áreas de cultivo. 

Conforme o pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Marcos Neves, "a utilização da estratégia de plantar o capim-sudão nas zonas de baixa produtividade funciona como um seguro contra os impactos financeiros negativos nos anos mais secos. Estratégias mais elaboradas podem ser definidas em função de previsões meteorológicas confiáveis para os próximos meses, onde a escolha do que plantar e em qual zona, pode variar em função desta previsão", acredita ele. 

O ESTUDO
Os experimentos foram conduzidos na Embrapa Pecuária Sul, Bagé, RS em 13 ha, cultivados com soja durante o verão e pastagem de azevém durante o inverno, numa área anteriormente tomada pela planta invasora capim-annoni. Ao longo dos anos a área tem sido monitorada por meio de equipamentos embarcados com GPS e sensores que permitem analisar a produtividade em cada ponto.

Com isso traça-se um mapa onde é possível identificar a variabilidade da produtividade e relacioná-las com as características de solo e clima nos diferentes anos. O monitoramento do sistema, com o acompanhamento dos custos e rendimentos, é realizado desde 2011 e está incluído na Rede de Pesquisa de Agricultura de Precisão.

logo