John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    Produção agroecológica deixa legado a produtor rural

    Voltado para a inserção de grãos, especialmente o feijão, em pequenas propriedades, projeto de pesquisa GrãosAgroeco foi coordenado pela Embrapa, Emater-GO, Uni-Evangélica e Aproar
    Embrapa
    Produção agroecológica deixa legado a produtor rural
    Produção agroecológica deixa legado a produtor rural

    Tags:

    Embrapa

    Ecologia

    Feijão

    Grãos

    Notícias

    John Deere

    O projeto de pesquisa GrãosAgroeco, coordenado pela Embrapa, Emater-GO, Uni-Evangélica e Associação de Produtores Agroecológicos de Anápolis e Região (Aproar), foi conduzido entre 2019 e 2021, e deixou um legado para a comunidade de agricultores que fizeram parte dele. Voltado para a inserção de grãos, especialmente o feijão, em pequenas propriedades que cultivavam somente verduras e hortaliças, a iniciativa está sendo capaz de gerar resultados, mesmo após seu término, como é o caso do produtor rural Roney Aparecido de Oliveira.  

    Na propriedade de sua família, no distrito de Sousânia, próximo à cidade de Anápolis (GO), Roney e seus pais adaptaram às condições locais, técnicas em produção agroecológica, como a adubação verde que, aliadas à irrigação por gotejamento, permitiram a obtenção de feijão orgânico cultivado na safra de inverno deste ano. Em uma área de 500 metros quadrados, foram colhidos 135 quilos do grão tipo jalo, a um custo baixo porque não houve o aporte de insumos externos à propriedade e a mão de obra utilizada foi da própria família.

    Uma produção de feijão em um contexto como esse é atrativa. O pesquisador da Embrapa, Agostinho Didonet, e o analista, Glays Rodrigues Matos, que participaram do projeto GrãosAgroeco, avaliaram que, considerando os custos e o rendimento da lavoura, o cultivo de inverno do feijão agroecológico é uma opção capaz de chamar a atenção de pequenos agricultores. 

    SEMEADURA
    “O preço de comercialização do tipo jalo orgânico em feira e mercado local é bastante atrativo. Com uma produção feita em três meses, a um custo baixo e autonomia de insumos, o retorno é bastante interessante, além de garantir a alimentação da família”, afirmou Agostinho Didonet. Além desses aspectos, ele destacou a importância de guardar parte da produção do ano anterior para a utilização como semente própria que foi armazenada adequadamente pelo produtor, o que garante a semeadura no momento mais oportuno.

    O engenheiro agrônomo da Emater-GO, Álvaro Gonçalo Rodrigues, fez parte do projeto GrãosAgroeco e é um dos profissionais que prestam assistência aos produtores rurais da região de Anápolis. A exemplo do caso de Roney e sua família, outros agricultores estão sendo acompanhados por Álvaro. De acordo com ele, novos relatos com bons resultados perpetuando as ações do projeto GrãosAgroeco estão ocorrendo.