O mar está para peixe

Já pensou em praticar pesca oceânica? O Conecta traz algumas dicas para os pescadores dispostos a trocar a água doce dos rios pela água salgada do mar

Variedades

img-news

Se brigar com o peixe no rio já é bom, em alto-mar o bicho pega. A pesca oceânica envolve peixes maiores e uma grande dose de emoção para fisgar e trazer espécies enormes para o barco, como um Marlin, que tem peso médio na faixa dos 100kg.

 

As espécies mais encontradas pelos pescadores na costa brasileira são Anchova, Atum, Barracuda, Badejo, Cação, Dourado, Marlin-azul, Olho-de-boi, Pampo, Robalo, Olhete, Sargo-de-dentes, Cavala e Xeréu.

 

Para pescar esses peixes, a qualidade dos equipamentos importa bastante e, em muitos casos, deve ser específica para cada espécie.

 

As varas devem ter em torno de dois metros de comprimento, feitas de material resistente. À medida que o grau de dificuldade – e o tamanho do peixe – muda, melhor investir em um uma vara com cerca de 36kg de resistência e ser um pouco mais curta, em torno de 1,60 metros.

 

Carretilha ou molinete? O melhor é o molinete, pois permite arremessos mais longos. A escolha sobre qual modelo depende de fatores como capacidade para armazenar linha e o tipo de linha a ser utilizada.

 

Falando em linhas, as mais recomendadas variam entre 0,50mm a 0,60mm, com capacidade para aguentar 20lb a 40lb. Para fisgar peixes em águas mais profundidas, essa capacidade da linha deve aumentar.

 

Em relação às iscas, as mais recomendadas são as artificiais. Isso permite contar com variedade de opções para atrair diversos tipos de peixes. Em geral, medem entre 10 e 15 centímetros e podem ser mais ou menos pesadas, dependendo da profundidade que se quer chegar.

 

Agora que já entendemos sobre equipamento e a importância de usar a vaga e acessórios certos para fisgar cada tipo de peixe, vamos descobrir quando e onde encontrar três das espécies mais populares no Brasil.

 

ATUM

Um Atum pode chegar a 700kg e, embora seja raro topar com um monstro desses, sonhar não custa nada quando o barco está no mar. É um peixe que gosta de águas quentes. Assim, é mais fácil de se encontrar no verão e em regiões como o litoral do norte, nordeste  e Rio de Janeiro.

 

ANCHOVA

É possível pescar Anchovas em toda a costa brasileira, mas as chances de sucesso aumentam se você jogar o anzol em locais como Santa Catarina e Rio de Janeiro, especialmente nos meses de inverno. Esse peixe pode alcançar 1,5m de comprimento e pesar mais de 20kg.

Para fisgá-lo, ancore próximo a costões rochosos e mergulhe as iscas nas partes mais agitadas e profundas.

 

CAÇÃO

O Cação é tipo “figurinha fácil” em diferentes partes da costa do Brasil. Não por acaso, está entre os mais populares junto aos pescadores. Com um tamanho superior a 1 metro, essa espécie de tubarão (isso mesmo, você não leu errado) pode chegar a 40kg e é bastante requisitado nas peixarias.

A melhor época para encontrá-lo é durante o verão. Nesse momento, o Cação se aproxima da costa buscando a reprodução, ocasião em que se formam cardumes.

 

*Com informações dos blogs Alfapesca e Rei da Pesca

 

 

logo